tendência

Depois dos cabelos, barbas e axilas também ganharam novas tonalidades

Por Eloá Orazem -

O mundo não é cor-de-rosa, mas o seu cabelo pode ser. E sua barba também. Não tem barba? Tudo bem, pode ser os pelos das axilas, que tá valendo. A cor, na verdade, fica a gosto do freguês, mas as pesquisas (a.k.a. o que vemos na rua, no Google e no Facebook) mostram que azul, verde e tons pastel são as tonalidades mais bem sucedidas da cartela Pantone – e isso logo se comprova em uma rápida caminhada pela porção mais hipster de Nova York, onde modernetes desfilam suas madeixas (em diferentes partes do corpo) coloridas.

Sadly Colorful

Essa “revolução arco-íris” parece ter tomado fôlego nos últimos meses, mas, segundo o New York Times, seu início nos leva aos queixos de garotos do Brooklyn do começo do ano 2000. Seus pelos faciais tingidos foram pouco a pouco vencendo o tempo até cair nas graças dos descolados que lançam tendência na Big Apple.

beard6
beard5

Hoje são tantos rapazes que procuram o serviço que alguns salões se especializaram na arte de colorir barbas, e chegam a cobrar 200 dólares pelo tratamento, que requer até duas horas.

Para quem não tem tanta paciência – ou pelos faciais –, a onda de tingir os cabelos da axila é uma alternativa a se considerar. A ideia de mudar a cor do sovaco é creditada à Roxie Hunt, uma cabeleireira de Seattle que confessou sempre ter sentido vontade de tingir os pelos da axila de uma cliente para ver o que aconteceria, até que uma colega de trabalho topou fazer o teste.

Relatando a experiência em um blog, Roxie conta que não tinhas grandes pretensões com a brincadeira, mas achou o resultado bastante surpreendente – e, a julgar pelos mais de 31 mil compartilhamentos, outras pessoas também aprovaram a mudança; e isso inclui a cantora Miley Cirus, que há alguns dias postou na internet uma foto orgulhosa de sua axila pink (na foto abaixo, Miley à direita e Lady Gaga à esquerda) .

beard4
beard7

Além de mexer com a estética, as moças têm usado a brincadeira como uma forma de protesto contra uma sociedade machista e opressora, que encara a depilação das mulheres quase como uma obrigação.

Deixando essas polêmicas cabeludas de lado e focando apenas nas cores, a psicóloga americana Angela Costello afirma que a arte de mudar a tonalidade dos pelos corporais “pode ser uma maneira de se ‘rebelar’ contra a padronização do mundo corporativo ou é a forma que homens e mulheres encontram para marcar sua individualidade”.

A especialista afirma ainda que, analisando tudo isso por uma perspectiva psicológica, é bastante comum ver pessoas mudando a aparência quando estão passando por momentos-chaves na vida: um término de relacionamento, um desvio na carreira…

beard2

“Reações positivas a essas mudanças podem ajudar a alavancar a autoconfiança e impactar nos mais variados setores da vida de um determinado indivíduo”, comenta, “mas também é preciso levar em conta o fator cultural: aqui em Los Angeles é bastante comum encontrar homens com barbas rosas e moças com axilas roxas e, em São Paulo, esse tipo de visual talvez possa causar uma resistência por não ser muito habitual.”

Freud, que a vida inteira cultivou pelos in natura, talvez concorde ou não com a sua pupila, mas longe dos bancos e dos estudos das academias, as selvas de pedras parecem já ter chegado a uma conclusão, e o camaleão é o novo rei da floresta.