Esporte

Os momentos mais incríveis dos 10 anos da Bolovo

Por - 23/11/2017

Sabe aquele sonho de transformar o que você mais gosta de fazer em profissão? Foi assim que nasceu a Bolovo Productions, misto de produtora de vídeo e marca de roupas comandada por Deco Neves e Lucas Stegmann. Eles começaram registrando as viagens com os amigos e, quando viram, estavam viajando pelo país para fazer o MTV Sports, série que apresentaram por seis temporadas. Basta assistir a um episódio para entender o lema da marca: Go Out. Make Some Memories. Fugir do tédio e experimentar todo o tipo de ideia (especialmente aquelas que envolvem arriscar cada osso do corpo e explodir coisas) é um compromisso que eles levam a sério.

Fotos: Diogo Narita

No ano passado, a Bolovo completou dez anos. Hoje eles também produzem conteúdo audiovisual para marcas e têm uma loja onde vendem sua linha de roupas em Pinheiros, além de um espaço que ora serve como escritório, ora como lugar para reunir os amigos e fazer festa. Para comemorar uma década viajando por aí fazendo as maiores loucuras, Lucas e Deco reuniram as melhores fotos e relatos em um livro lançado em setembro. Pedimos a Lucas que escolhesse os cinco momentos mais surreais que eles viveram. Como eles gostam de dizer, let the good times roll bitches!

01. Acelerando na TV
“Quando anunciaram a segunda temporada dos “Quebradeiros” [programa da MTV] a gente devia ter uns 19, 20 anos. E por se tratar da segunda temporada a gente já tinha se ligado na “arte da permuta” que o fantástico mundo da televisão proporciona. Sabendo disso, montei uma apresentação sobre as gravações que estavam por vir e mandei para um fabricante de motos pedindo uma mini-moto de cross de presente. Sem pretensão alguma, metendo o louco no “vai que dá certo” e “o não a gente já tem”. Me lembro até hoje quando o cara retornou minha ligação dizendo que tinham 3 mini-motos me esperando. Foi um momento de puro êxtase. As motos eram boas, fortes e renderam muitos rolês, durante as gravações e até anos depois”.


02. Se beber, não atire
“A gente andava de wakeboard, estava começando a fazer vídeos e viajando pelo Brasil cobrindo cada etapa dos campeonatos. Até que um dia fomos chamados para ir ao Paraguai gravar a etapa do sul-americano para a ESPN. Foi épico. Foi quando realizamos que estávamos sendo pagos para fazer aquilo que a gente gostava. Fomos para o Paraguai se sentindo nos Emirados Árabes, acompanhando todos nossos amigos que estavam indo competir e fazendo as baladas das nossas vidas. Uma noite, depois da terceira balada, me encontrei num carro dando tiros de revólver para o alto para fora da janela a caminho da Faces (a Love Story de Assunção). O resto não me lembro, só que fui encontrado desmaiado num sofá. Graças a deus fui encontrado por um camarada e voltamos em segurança para o hotel para gravar o dia inteiro andando de wake e aprontando alguma no glorioso Yacht Golf Club às margens do rio Paraguai. Que semana…”


03. O primeiro lança-chamas a gente nunca esquece
“Quando o “MTV Sports” foi aprovado, chegou o momento de gravar a abertura. Quem era responsável por isso era o promo, que fazia aquelas vinhetas muito loucas e o pacote gráfico dos programas (assista abaixo). Beto Shibata, chefe do promo, apresentou a gente para um japa muito louco com carros maneiros: Denis Cisma. Ele já era um cara anos-luz da gente em produção de cinema e foi nosso primeiro contato com esse tipo de produção e infra. A ideia era ser uma abertura de séries americanas tipo “Magnum P.I”. A parada evoluiu e a cena final era uma explosão com a gente olhando para a câmera, pique Changeman. Quando conhecemos o Martão, mestre das explosões, nossa vida mudou. Ele foi responsável por fazer uma bola de fogo gigante de verdade com gasolina e alguns anos depois ajudou a gente a construir nosso próprio lança-chamas. Quando vimos o que era possível fazer e que aquele tipo de coisa era viável, nunca mais fomos os mesmos”.


04. Explorando o limite… do estômago
“As coisas evoluíram: a arte da permuta, viagens internacionais e explosões. Até que um dia fomos parar na Califórnia para gravar nosso programa. A procura de pautas por ali estava rolando a OC Fair com demolition derby de trailers (destruição em uma arena de carros) e competição de comer torta. Deco conseguiu se inscrever e representou o braza. Comeu mais torta em menos tempo, mas ficou em 2º lugar (roubado) provavelmente por ser brasileiro e ter entrado de bicão na competição. Mas foi um dia de glória!”


05. Motociclista profissional
“As motos que ganhei nas permutas duraram bastante tempo e nessa trajetória fizemos um amigo piloto de FMX que mora em um sítio com uma caixa de espuma. A caixa de espuma é uma caixa gigante na qual você pode se atirar com uma moto de uma rampa sem se machucar. Ou se machucar menos. Perfeita para treinos de manobras (assista ao vídeo). Me arrisquei a tentar o backflip, que é um mortal de costas. As tentativas foram melhorando até chegar ao ponto e à confiança de se arriscar na terra, pra valer. Fazer o mortal e continuar andando do outro lado! Fiquei um final de semana praticando o giro e a mente até chegar a hora da verdade. Encarei a rampa e fui. Lembrando hoje foi tudo meio turvo, mas acertei a manobra perfeita e sai andando do outro lado. Foi animal… Glória máxima!”

Populares