tendência

Marcenaria básica: cursos para acalmar a mente e decorar a casa

Por Fabiana Corrêa -

Meditação enquanto se lixa uma tábua de freijó. Mindfulness diante de um torno de madeira. Aprender marcenaria pode ser um bom jeito de focar no presente, ficar longe do celular e ainda construir um móvel bacana pra sua casa. “Hoje, tudo está pronto, na prateleira. Trabalhar com a madeira conecta as pessoas com o processo de fazer”, diz o arquiteto Alex Uzueli, um dos fundadores da Oficinalab, em São Paulo, espaço que oferece cursos e coworking para quem quer mudar de ares e sair da frente do computador. Durante o Festival Path, reunião de dezenas de palestras que acontece nos dias 19 e 20 de maio, Alex vai falar sobre marcenaria como detox digital. “Vamos lembrar do poder terapêutico, mas construir algo com madeira vai muito além disso: é solução para problemas reais."

Há cursos para quem quer aprender o básico - e para isso não é necessário ser arquiteto ou designer - e fazer um móvel simples. Mas algumas escolas oferecem outras maneiras de se aproximar da marcenaria, com workshops para se fabricar um skate, uma prancha de stand up paddle e até um ukelelê. Com um pouco de esforço, o hobby pode virar profissão. “Depois de um ano de aulas, já dá para ter uma boa noção e pensar começar a trabalhar na área”, diz Piero Calò, dono e professor da Cose di Legno. Lá, e em boa parte dos outros cursos, o público se divide entre homens e mulheres quase que pela metade. Abaixo, uma lista de escolas para você relaxar com uma goiva na mão - e sair mostrando sua produção própria com o maior orgulho por aí.


São Paulo

Foto: Instagram @oficinalab

Oficinalab

Há três anos, os arquitetos Daniel Sene e Alex Uzueli ensinam gente de tudo o que é profissão a transformar madeira em bancos, poltronas, luminárias e o que mais imaginarem. O curso põe ênfase no projeto escolhido pelo aluno e na busca de soluções para transformá-lo em realidade. “A gente quer criar uma cultura, um movimento em que as pessoas comecem a questionar de onde vêm as coisas que elas compram e se interessem pelo fazer”, diz Daniel. Além dos cursos, o galpão de 700 metros quadrados na Barra Funda, antigo bairro industrial de São Paulo, funciona como coworking de marcenaria. Lá, quem já fez o curso pode alugar ferramentas e ir construindo peças próprias, pagando um mínimo de R$ 240 por mês. O curso básico, de 72h, custa R$ 1757. Mas há oficinas para se fazer uma prancha de SUP, uma horta suspensa ou um veículo elétrico urbano em madeira.

R. Dr. Ribeiro de Almeida, 166
oficinalab.com.br
@oficinalab


Foto: Instagram @lab74

Lab 74
O curso começa com muitas referências e uma aula de design para que cada aluno escolha seu projeto, desenhe e, a partir daí, vá para a oficina cortar, lixar, pintar. Até sair com um objeto pronto. Aqui, não há restrições de técnicas ou materiais: cada aluno escolhe o que quer fazer e usa o que for necessário para alcançar o objetivo projetado. A escola tem sede em São Paulo, mas também ministra cursos no Rio de Janeiro, no espaço Paleolíticos, em Santa Tereza. O mais procurado é o curso básico, de projeto e marcenaria, que tem 72h de duração e custa R$ 1780 (mais uma parte do material). Mas há aulas específicas para construir cadeiras clássicas ou uma prancha de surf, com turmas esporádicas.

R. Souza Lima, 318
lab74.com.br
@lab_74


Foto: Instagram @cosedilegno

Cose di Legno

Em uma casa no bairro de Pinheiros, essa antiga marcenaria ministra cursos para quem quer aprender a projetar e construir um móvel. O dono, Piero Calò, criou um manifesto slow wood, com o intuito de incentivar as pessoas a construirem com as próprias mãos. Segundo ele, depois de 40h de aula, já é possível ter uma noção de marcenaria e sair de lá com sua primeira mesinha. As turmas têm, no máximo, oito pessoas e são permamentes - cada aluno recebe atendimento individual dos professores, Piero e seu filho Oliver, durante as aulas. “Começamos ensinando o aluno a projetar o que ele escolher e depois partimos para a técnica”, diz Piero. Às segundas-feiras, há duas horas de oficina livre para quem quer colocar os ensinamentos em prática. A mensalidade custa R$ 820 para 2h de aula por semana.

R. Antônio Bicudo, 22/30
cosedilegno.com.br
@cosedilegno


Foto: Divulgação

Ateliê da Madeira

Com uma pegada mais tradicional, a escola oferece um módulo básico que inclui projeto e fabricação de três peças: um banco, uma mesa lateral e um criado-mudo. Com isso, é possível aprender a usar diversos tipos de material e se familiarizar com os métodos de encaixe, cola, marchetaria. Para cada turma, de até 15 alunos (cada um com sua própria bancada), são 3 instrutores. Depois de terminados os primeiros projetos, é possível continuar no curso e afinar as técnicas ou acompanhar os professores para aprender a comprar madeira, por exemplo. O mínimo são 3h de aulas semanais, com mensalidade de R$ 605 (nesse módulo, a média para concluir o projeto é de 6 meses).

R. Tonelero, 354
ateliedamadeira.com.br
@ateliedamadeira


Foto: Instagram @sesc24demaio

Sesc

Há dezenas de cursos ligados ao trabalho com madeira nas unidades do Sesc em todo o estado. Nesse mês, serão dadas oficinas gratuitas de brinquedos de madeira para pais e filhos na unidade Vila Mariana, de lutheria ecológica para construção de um ukelelê na unidade de Pinheiros e ateliê de marcenaria em Itaquera (na foto, oficina de lutheria no Sesc 24 de maio).
sescsp.org.br


Rio de Janeiro

Foto: Divulgação

Semente

Nesse espaço maker em São Cristóvão, os cursos se dividem em assuntos específicos, como o Que madeira é essa?, que ensina a diferenciar os tipos, e a oficina de acabamento. É possível ainda escolher aulas para fazer um skate, uma mesa de centro ou uma luminária BUBA, cursos ministrados pelos designers que criaram as peças a serem ensinadas. Quem quiser alugar sua bancada para trabalhar de maneira independente, paga uma matrícula de R$ 220 mais R$ 200 por semana, dependendo do plano escolhido.

Av. Pedro II, 161
semente.co
@semente.co


Foto: Instagram @ospaleoliticos

Paleolíticos

Nesse espaço DIY no bairro de Santa Teresa, além do básico de marcenaria tradicional (o primeiro módulo, em 21/05, introduz ao uso de ferramentas manuais, custa R$ 650), há cursos voltados para a confecção de algumas peças, como uma luminária com foco giratório, e um workshop em que se ensina a identificar e a lidar com cada tipo de madeira.

R. Pintora Djanira, 97
paleoliticos.com
@ospaleoliticos


Porto Alegre

Foto: Divulgação

Fabrique

Nos próximos dias 19 e 26/05, o artista plástico Mauro Fuke ministra uma oficina de marcenaria escultórica, durante 2 sábados, em que o aluno aprende a escavar a madeira com base em uma travessa criada pelo professor. A oficina dura 16h e custa R$ 510. Outro curso, Introdução à Marcenaria, é bem simples: tem 15h e dá um panorama geral do trabalho, da estrutura da peça ao acabamento, por R$ 510. Mas depois é possível completar com aulas de marcenaria fina, encaixes ou escolher cursos que ensinam a fazer uma luminária tripé ou um jacaré, para pegar ondinhas em grande estilo.

Av. Polônia, 1073
fabrique.cc
@fabrique.cc


Florianópolis

Foto: José Carlos Chamusca Jr.

Garapuvu Marcenaria

A designer Camila Baratieri ministra, no próximo dia 26 de maio, o worskshop Introdução à marcenaria para mulheres, com 8h de duração, para quem quiser ter noções básicas no assunto, por R$ 170. Em junho, o mesmo workshop acontece na cidade de Chapecó - fique atento à pagina da escola no Facebook para detalhes. Além desse, há cursos básicos e intermediários, para construir peças específicas, como um criado-mudo ou uma espreguiçadeira. O local varia de acordo com cada workshop.
@garapuvumarcenaria


Online

Foto: Divulgação

No site Eduk, os cursos online de marcenaria se dividem por finalidade. O Marcenaria caseira, peças para fazer e vender, com André Caperutto (foto) é dado em 12 vídeos de 50 minutos, em média, e inclui a confecção de banqueta, cavalete, luminária e estante. Os planos anuais para assistir os vídeos custam a partir de R$ 19,90 por mês. Bruno Lima, do Lab 74, é um dos instrutores e ensina a fazer poltronas famosas em madeira.
eduk.com.br
@cursoseduk