diversão & arte

Day mood: conheça a floresta sonora e suave de Mia Doi Todd

Por Mariana Caldas -

Mia Doi Todd é uma cantora e compositora americana que faz arte com sua voz suave. Seu nono disco, “Cosmic Ocean Ship”, lançado em 2011, é desses que leva a gente para viajar junto, uma delícia do início ao fim. Nele, Mia se aventurou pelo português com uma versão inspiradora do afro-samba de Baden Powell e Vinicius de Moraes, “Canto de Iemanjá”.

Ela tinha feito uma turnê pelo Brasil em 2009. E a inspiração permaneceu. Eis que, três anos depois, no fim de 2014, do seu amor pelo nosso país, nasceu “Floresta”. Sua mais nova obra, com dez lindas versões da pura arte musical brasileira. De Candeia à Caetano.

“O Vento”, de Dorival Caymmi, “Chovendo na Roseira”, de Tom Jobim, “Menina, Amanhã de Manhã”, de Tom Zé, “Luz do Sol”, de Caetano Veloso, “Preciso me Encontrar”, um clássico de Candeia que ganhou força na voz de Cartola, e o canto iorubá “Ewê”, são alguns dos destaques de “Floresta”, que traz um olhar lindo sobre a alma brasileira.

Vem cá, dá um play, e boa viagem.