lifestyle

O dia em que encomendei 35 caixas de papelão com a Rappi

Por Ricardo Moreno -

Nos últimos meses, pelo menos duas empresas estrangeiras dedicadas a ‘entregar tudo’ começaram a operar no Brasil: a Rappi, da Colômbia, e a Glovo, da Espanha. Com propagandas modernas e massivas em meios on e offline e apps fáceis de usar, a promessa de ambas é a de entregar absolutamente qualquer coisa, de álbum da Copa a dinheiro vivo, de comida a remédio. Intrigado com o que elas entendem por ‘tudo’, resolvi levar ao limite e testar o serviço da Rappi.

Prestes a fazer uma mudança, precisava de 35 caixas de papelão de tamanhos diversos (desmontadas), 100 metros de plástico bolha e 5 rolos de fita adesiva, de 45 metros cada. Esse kit mudança, que naturalmente não caberia de jeito nenhum na garupa de uma moto, estava localizado numa empresa no Bom Retiro, a mais de 13 quilômetros da minha casa.

rappi-1

Preenchi o cadastro, descrevi detalhadamente o pedido e aguardei a confirmação do serviço. Em cerca de 5 minutos recebo um aviso dizendo que um motoboy estava a caminho. Custo de R$ 17,36. Aceitei a sugestão do Rappi em dar uma gorjeta de R$ 3 para o prestador de serviço, totalizando R$ 20,36. Preço in-crí-vel para cruzar a cidade com 35 caixas de papelão, 100 metros de plástico bolha e mais 5 rolos de fita adesiva.

Caixas de papelão

Gentil, o Uilson Gomes me mandou algumas mensagens informando que era o profissional responsável pela minha solicitação.

Meia hora depois, vendo que o Uilson já estava há mais de 20 minutos parado no local indicado e imaginando a cara de espanto dele ao ver a quantidade de coisas que teria que transportar, escrevo perguntando se estava tudo sob controle, no que ele me responde:

–É muita coisa para ir na moto! Estamos chamando um 99.

rappi-2

Comecei a rir. Minha experiência estava dando certo. Mas ainda estava intrigado de como a Rappi iria fazer a cobrança.

Pouco menos de 2 horas depois, ou exatos 116 minutos, minha gigante encomenda foi entregue, intacta, no bairro de Pinheiros.

Nada a mais me foi cobrado, a não ser R$ 11 extras descritos como taxa de espera do Uilson, que ficou pouco mais de meia hora no local, algo que eu já sabia.

Se o que aconteceu comigo não foi uma exceção – ou uma gentileza da Rappi pelo fato de estarem começando a operar no Brasil –, já virei fã do serviço.

Próximo objetivo: mandar um sofá, um armário embutido e uma TV de 42 polegadas para um guarda-móveis na Bela Vista.

Disclaimer: isto não é um post pago.