diversão & arte

A crise existencial do rapper Rincon Sapiência

Por Rafael Andery -

Danilo Albert Ambrosio, 32, está em crise. Seu alter ego artístico, o rapper Rincon Sapiência, não. Surfando na onda do seu disco de estreia, “Galanga Livre”, lançado em maio do ano passado, Rincon vem colecionando prêmios e reconhecimento artístico.

Eleito revelação do ano no Prêmio Multishow e artista do ano no Troféu APCA, entregue pela Associação Paulista de Críticos de Arte, o rapper coroa a boa fase com apresentação no festival Lollapalooza, no dia 23 de março, em São Paulo, ao lado de nomes consagrados como Red Hot Chili Peppers, LCD Soundsytem e Chance the Rapper. Em breve, Rincon também lançará o clipe de “Crime Bárbaro”, faixa que abre o disco incensado pela crítica especializada.

Ainda assim, Danilo não está totalmente realizado. “Nem sempre nosso estado é confortável em relação ao que a gente está vivendo”, diz. “A crise é um processo normal. Ela vem das responsabilidades que a gente cria quando se propõe a fazer algo. Mas chega uma hora que você vê que o sistema está te consumindo. Às vezes dá vontade de dar uma desencanada só para ter um pouco de paz, mas eu sei que não é assim que funciona”.

Buscando entender o que se passa com Rincon (e com Danilo), aplicamos no músico o Questionário Proust, idealizado pelo escritor francês Marcel Proust no final do século 19. Segundo o autor, a série de 35 perguntas seria um eficaz instrumento de autoconhecimento.

Rincon as respondeu em sua casa, um sobrado na zona norte de São Paulo, onde vive com seus pais.

Rincon Sapiencia
Fotos: Thays Bittar

Qual é sua ideia de felicidade plena?

Acho que é morrer.

Qual é o seu maior medo?

Altura.

Qual é a característica que mais detesta em si mesmo?

A falta de pontualidade.

Qual é a característica que mais detesta nos outros?

Não gosto de quem quer muito confete.

Que pessoa viva você mais admira?

Minha mãe e meu pai.

Qual é a sua maior extravagância?

Dançar.

Qual é o seu estado de espírito atual?

Crise.

Qual considera a sua virtude mais superestimada?

Quando me chamam de homão da porra.

Em que ocasiões você mente?

Sempre, né?

O que você menos gosta na sua aparência?

Eu gosto de tudo.

Que pessoa viva você mais despreza?

Os militares.

Qual a característica que você mais aprecia em homens?

Homens sábios são interessantes.

Qual a característica que você mais aprecia em mulheres?

O charme. Gosto de mulheres charmosas.

Que palavras ou frases você usa excessivamente?

“É”, sempre termino as frases com “é”.

O quê ou quem é o maior amor da sua vida?

A música. Não, mentira. É meu filho.

Onde e quando você foi mais feliz?

Eu fui feliz na Cohab, em casa, nos anos 2000.

Que talento você gostaria de ter?

Queria saber dançar.

Se você pudesse mudar uma característica em si, o que seria?

Nada. Tô perfeito.

Qual considera ser a sua maior conquista?

Viver de música.

Se morresse e voltasse, que pessoa ou coisa você gostaria de ser?

Queria voltar no Nordeste e fora do mundo urbano.

Rincon Sapiencia

Onde você gostaria de viver?

Belém do Pará.

Qual é o bem mais valioso que você tem?

A música.

Qual você considera ser a maior profundidade da miséria?

A falta de informação.

Qual é o seu passatempo favorito?

Fazer música.

Qual é a sua característica mais marcante?

Acho que é ser misterioso.

O que mais valoriza nos seus amigos?

Resenha boa e risada.

Quem são os seus músicos favoritos?

Eu acho que Mano Brown e Lil Wayne. O resto vai mudando, mas esses estão há alguns anos já na minha lista.

Quem é o seu herói na ficção?

O Ryu do Street Fighter.

Com que personagem histórico você mais se identifica?

Tem vários caras, mas acho que Mestre Bimba é o maior deles.

Quem são os seus heróis da vida real?

Meu pai e minha mãe.

Quais são os seus nomes favoritos?

Ibrahim.

Do quê é que menos gosta?

Eu odeio qualquer tipo de coisa que me prenda.

Qual é o seu maior arrependimento?

São vários, mas não posso falar.

Como você gostaria de morrer?

Dormindo.

Qual é o seu lema de vida?

Vive, fião.