Air France + The Summer Hunter

25 tendências para curtir o verão no Rio de Janeiro

Por - 13/01/2017

Existem muitos Rios dentro do mesmo Rio. A cidade para quem é do fitness e para quem é do chope. Para os que gostam do dia e para os que fervem à noite. Os da praia e os da montanha. Do samba e da eletrônica. Das artes e da moda. No fim das contas, são todos o mesmo Rio — em tempos, momentos e ritmos diferentes, complementares. E há um movimento bonito na mais bonita das nossas cidades: ruas sendo tomadas por festas, marcas independentes surgindo e o conhecido caldeirão trendy que ferve primeiro no verão carioca para depois se espalhar pelo resto do Brasil. Eis aqui o que você não pode perder.

Crédito de foto: Agustín Diaz

01.
Arte no Jockey

Inaugurada em novembro, a galeria de arte Carpintaria é a primeira investida na cidade da paulistana Fortes D’Aloia & Gabriel (antiga Fortes Villaça). Há outros empreendimentos artsy previstos neste mesmo espaço até então desativado do Jockey Club, caso da Casa Camolese, que tem Vik Muniz entre os sócios e vai funcionar como bar, restaurante e espaço para festas e shows.


02.
Brunch

Para quem pretende passar o dia todo na praia, nada melhor que um café da manhã com vocação para almoço completo. O full english breakfast do CoLAB é uma ótima pedida e um dos únicos brunches tipicamente ingleses do Rio de Janeiro: tem linguiça, ovos, cogumelos, feijão e bacon acompanhados de uma fatia de pão. Não é para tanto? A micropadaria artesanal The Slow Bakery também serve um menu delicioso nos fins de semana, com o já clássico sourdough da casa.


03.
Carnaval secreto

Os blocos secretos, que têm sua programação divulgada dias (ou horas) antes de saírem às ruas, estão cada vez mais concorridos e, portanto, ainda mais difíceis de serem descobertos. Esteja com fantasias e glitter a postos para horários e locais inusitados, geralmente pela região central da cidade. Siga (via Facebook e Twitter) o batuque sem hora nem local para acabar do Cordão do Boi Toloo charmoso Vem Cá, Minha Flor, o frenético Minha Luz é de LED, o sensual Oh Ménage! e os ousados Amigos da Onça e Viemos do Egyto.


04.
Cervejas artesanais

O movimento de rótulos independentes nunca esteve tão forte. E não faltam eventos que privilegiam pequenos produtores, como as feiras na Antiga Fábrica da Behring, a Junta Local, O Cluster e os festivais de cerveja que ocupam o Parque dos Patins, na Lagoa. Entre as principais marcas vale destacar a Praya, uma witbier superrefrescante; a Hocus Pocus, que já tem até um espaço próprio; e a tropical Hija de Punta, uma lager com um toque uruguaio, que mistura notas de mel e frutas cítricas.


05.
Festas de rua

A tendência é global. E as belezas naturais do Rio somadas à revitalização do Porto Maravilha deram um bom empurrão para que a cidade também aderisse ao movimento de ocupação dos espaços públicos. Há de chorinho no coreto da Praça São Salvador, em Laranjeiras, passando por DJs e bandas que tomam conta da rua do hypado Rivalzinho, ao fervo eletrônico da O/nda, que não tem hora nem lugar fixo para acontecer. “As melhores festas deste verão no Rio serão na rua, e de graça”, garante a promoter, RP e fundadora da festa de hip-hop LUV, Nicole Nandes.


06.
Frey Kalioubi

Esta galeria na Praça Tiradentes é um pedacinho de Berlim no centro do Rio. E o responsável pela Frey Kalioubi é o alemão Amran Frey, que viu na cidade um potencial criativo no setor da moda e investiu no espaço. Em menos de um ano, o endereço já se tornou referência de coolness. Além de roupas e acessórios, a Frey também vende livros de novas e pequenas editoras. Fique atento às feiras e aos eventos culturais, normalmente gratuitos.


07.
Frutos do mar

Deixe um pouco de lado os pratos com peixes como salmão e atum, que sofrem cada vez mais com a pesca indiscriminada. Neste verão, a combinação são frutos do mar e pão. Quem dá a dica é a chef Roberta Ciasca, dos restaurantes Miam Miam, Oui Oui e Petit. “Sanduichinhos com camarões, ostras, lulas e minipolvos, acompanhados de maionese thai e frutas, dão o tom do cardápio nesta estação”, diz.


08.
Gim tônica

Com a popularização de rótulos clássicos de gim e o surgimento de boas marcas nacionais, caso da Arapuru e da Virga, a centenária receita do drink voltou à moda. E ganha ainda mais personalidade se preparada com tônicas artesanais. “Aposte em pequenas fatias de frutas cítricas e aromáticas na finalização. Mas sem exageros, apenas para conferir autenticidade. No gim, menos é sempre mais”, diz a premiada bartender Jéssica Sanchez, do novíssimo Vizinho  Gastrobar, no Vogue Square, na Barra da Tijuca. Nosso predileto é o Grand Rickey Fizz, que leva xarope de gengibre, limão taiti e angostura.


09.
Grupos de corrida

Você sabe: não há academia a céu aberto tão convidativa como as praias, florestas e ruas do Rio de Janeiro. E o crescente número de grupos de corrida serve como convite irrecusável para, finalmente, colocar o corpo para trabalhar. O Espaço Pura Vida organiza corridas e outros eventos esportivos na Zona Oeste da cidade, enquanto o Nike Run Club leva diferentes grupos para suar na Zona Sul. A pesquisadora cultural Carol Althaller, professora do IED – Rio dá a dica: “Gosto da forma como esses grupos descobrem o potencial máximo do Rio, unindo cultura, o prazer do corpo em movimento e a descoberta do espaço urbano”. Partiu?


10.
Kombucha

Há quem diga que é o novo refrigerante. Mas esse chá fermentado naturalmente e de sabor levemente avinagrado é, além de refrescante e pouco calórico, ótimo para a saúde. A bebida probiótica pode ser feita em casa e combinar diversos sabores — de hibisco a grãos de café. Para quem não tem paciência de fazer a alquimia na própria cozinha, algumas pequenas marcas nacionais surgiram recentemente, a exemplo da K.Probióticos e a Nordic. “A procura dos cariocas pelo kombucha nunca foi tão grande”, afirma Thiago Nasser, fundador da feira de orgânicos Junta Local.


11.
Look all white

Minimalista ao extremo, o look totalmente branco para todos os gêneros é a pedida certa para os dias e noites de calor. Fresco, versátil e elegante, ainda permite múltiplas combinações com acessórios. O apresentador do canal GNT Caio Braz é adepto e explica: “Tem a ver com a espiritualidade que as pessoas estão querendo encontrar, e a moda vira mais um ponto de contato para uma vida mais leve”, acredita.


12.
Lila

A cantora carioca ganhou destaque primeiro no bloco Fogo & Paixão. Agora, no finzinho de 2016, Lila divulgou algumas músicas avulsas explorando diferentes estilos, inclusive a faixa “Não fui eu, foi o Carnaval”, que mistura samba e eletrônica. O jornalista Bruno Natal, fundador da plataforma de crowdfunding Queremos!, aposta na cantora como uma das revelações deste ano no Rio. “O funk rasteirinha ‘Não é Não’ vai ser o hino feminista deste verão, pode apostar”, diz.


13.
Malha

Dois mil e dezesseis foi um excelente ano para a moda carioca, que movimentou o setor com novos empreendimentos e marcas. E a Malha, que desafia toda e qualquer definição do que pode ser um coworking, é um dos mais inspiradores. Fundada por André Carvalhal, autor dos livros “A Moda Imita e Vida” e “Moda com Propósito”, a empresa ocupa um amplo galpão em São Cristóvão e funciona como cosewing ( co-costura, em português). O local também já virou ponto de referência para eventos relacionados a moda e ao bem-estar, assim como iniciativas educativas, oficinas, palestras e feiras com as marcas residentes.


14.
Rooftops

Com uma vista estonteante da orla e os termômetros ultrapassando os 40º graus, não foi preciso outra desculpa para os cariocas e turistas aderirem de vez à moda de brindar a vida e o pôr do sol no rooftop dos edifícios próximos à praia. O poolbar 23 Ocean Lounge, no último andar do hotel Caesar Park Sofitel em Ipanema, além de uma vista privilegiada para o sunset mais aplaudido da cidade, tem opções deliciosas para comer e beber. Aposte no Norte, um coquetel que leva cupuaçu e licor de açaí e Guaaja Tiquira, uma aguardente de origem indígena feita com mandioca.


15.
Mironga

Despretensioso e moderno, o restaurante da família da artista plástica Adriana Varejão foi reformado recentemente e agora traz um cardápio variado que serve de ceviche de peixe branco com frutas cítricas a hambúrguer artesanal e o já clássico bolinho de bacalhau. Além das novidades da cozinha, o segundo andar da casa localizada no Baixo Mauá conta com a obra “Panacea Phantastica”, uma parede de azulejos com 50 desenhos de plantas alucinógenas de Adriana.


16.
Olho da Rua

Em dois andares, este espaço cultural em Botafogo mescla galeria de arte, café-bistrô, bar, lojinha com produtos de design e uma área dedicada a cursos e workshops. Os fins de semana contam com uma programação intensa, que vai de exposições de novos artistas a shows e feiras de moda, decoração e arte.


17.
Papetes

Conforto e praticidade são essenciais no verão. E com o revival da moda dos anos 1980 e 1990, os chinelos do tipo slide e as papetes de couro, borracha ou neoprene voltaram com tudo. A sandália Marges, da Camper, deve ser o grande must-have desta estação. Mais em conta, a reedição de 30 anos do chinelo Rider vem em duas cores: com solado azul e tira única branca ou base de borracha branca e tira dourada.


18.
Pochete

Brega para uns, funcional para outros, a pochete é um dos resgates fashion que mais tem dado o que falar. Diferentemente das originais do início dos anos 1990, os acessórios de agora têm múltiplos formatos, tipos e propósitos. A divertida Poch (@poch.me) não tem medo de ousar e faz as bolsinhas de cintura em formatos de unicórnio, ovo frito, olho, arco-íris… Estão à venda na Void General Store, na Farm e no Clube Melissa Ipanema.


19.
Riba

Eis o novo clássico da botecagem do eixo Ipanema-Leblon. O bar, que abriu a primeira unidade no Leblon em março do ano passado, inaugurou no fim do ano um quiosque pé na areia na altura do Posto 11. O espaço supercool e o cardápio de drinks e comidinhas de primeira com o Morro Dois Irmãos como pano de fundo fizeram do Riba um sucesso imediato. Neste ano eles devem abrir outras seis unidades na cidade: uma delas na Barra e outra na esquina da Rua Barão da Torre com a Garcia D’Ávila. O melhor de tudo? Os garçons também servem quem estiver na praia.


20.
Rua City Lab

Reflexo da revitalização da Zona Portuária, este espaço voltado para promover experiências urbanas e atrair novos públicos para a região abriga coworking, galeria de arte, área para workshops e palestras, além de um galpão para eventos de todo tipo, que promete ferver nos meses de verão: de festival de forró em homenagem ao Gonzagão, passando por shows e festas de música eletrônica.


21.
Rua Tubira

Popularmente conhecido como a Rua das Oficinas, este pedacinho até então esquecido do Leblon começou a ser resgatado dois anos atrás. Por enquanto, o imóvel de número oito é onde a coisa realmente esquenta aos sábados e domingos. Ali funcionam dois estabelecimentos: um deles é o Da Roberta, que traz delícias de rua preparadas pela equipe da chef Roberta Sudbrack, a exemplo do sanduba sloppy joe, com chilli de carne e (muito) queijo gravatá derretido. O outro é a cervejaria Jeffrey, parada certeira para quem pretende aplacar o calor de mais de 40º graus do verão na cidade.


22.
South Ferro

Irmão mais novo da pizzaria Ferro e Farinha, o South Ferro abriu as portas no fim do ano em Botafogo. O crescente hype em torno do endereço se deve muito às receitas com toque coreano, algo ainda pouco comum na cidade. Experimente o churrasco k-jang ao molho gochujang (uma pasta de pimenta fermentada típica daquele país), servido com kimchi, espécie de chucrute local. Aos comensais de paladar mais tradicional, as pizzas em fatia também aparecem no menu. E são deliciosas.


23.
Superfoods

Mais do que orgânicos, os superalimentos são comidas ou ingredientes de alta densidade nutricional, ricos em vitaminas, minerais, fibras e antioxidantes. As berries e o bom e velho açaí, por exemplo, são considerados superfrutas, assim como a pitaia, que também começa a ganhar os cardápios nas incontáveis casas de suco do Rio de Janeiro. O pequenino e aconchegante Kraft Café mescla em seu cardápio receitas australianas com toques brasileiros, a exemplo do smoothie Malibu, que leva framboesa, morango, água de coco e banana, e do Bangkok, feito com spirulina, maçã verde, abacate, chia, limão e pepino.


24.
SpotLab

Este novo espaço às margens do canal de Marapendi, na Ilha da Gigoia, já tinha fama por ser o QG dos skatistas Bob Burnquist e Akira Matsui. Agora, o local, que abriga piscina e pista de skate concebida pelo próprio Burnquist, também passou a funcionar como um centro cultural com direito a exposições de arte, design e moda urbana e espaço para shows.


25.
Tiki Bar

Geralmente à base de rum e frutas tropicais como o abacaxi, a laranja, o maracujá e a água de coco, os coquetéis Tiki vão fundo no exotismo — e em alguns exageros — em suas apresentações. Surgidos na Polinésia Francesa nos anos 1930, costumam ser servidos na própria fruta ou em canecas em formato de deuses da Oceania (o Tiki é um deles). Sandra Mendes, bartender especializada em coquetéis clássicos e responsável pela nova carta do Esquina 111 e do Japan Tapas Bar, confirma: “Os Tiki estão vindo com tudo no gosto dos cariocas!”


*Este post faz parte do especial do The Summer Hunter patrocinado pela Air France.

 

Populares