viagem

20 dias na Floresta Amazônica com os índios Huni Kuin

Por The Summer Hunter Staff -

Eu concluí rapidamente que o Acre seria meu destino. Foi um insight claro. Uma visão. Ir para a floresta era uma certeza natural.

Já naveguei, batuquei, surfei, me hospedei por trinta dias em um terreiro de Candomblé, já frequentei centros e templos das mais variadas religiões, andei no mato, mergulhei no mar e pulei da cachoeira. Já falei com muito preto velho, já tive medo de alma penada. Amo e já senti dor de amor. Uma imersão na Floresta Amazônica parecia a maior aventura de todas até então.

guto-lima-the-summer-hunter-amazonia-3

Mais certezas e decisões rápidas. Menos dúvidas e reflexões. Assim foram os dias seguintes.

Aos 37 anos, coisas importantes vêm acontecendo na minha vida, como nunca antes. É uma clara passagem de fase. Acomodo certas coisas e boas novas emergem. Devagar, vou me reinventando, percebendo a mim sob novas e mais interessantes perspectivas. É sabedoria tomando forma em minhas ações, além de no pensamento e palavras.

guto-lima-the-summer-hunter-amazonia-1

O contato com a medicina da floresta, pessoas importantes, desaceleração, perdas, choques, auto-consciência sobre eventos recorrentes que se repetem e que nunca tinham ganhado minha atenção. A descoberta de um possível e belo papel para a religião em minha vida. A descoberta inquestionável e indescritível de Deus. O especial e profundo interesse em refletir e sentir sobre meu ego e minha essência — alma e espírito. Este é o caldo e a linha mestra de minha jornada para dentro da maior floresta do planeta — minha imagem e semelhança.

E lá ia eu para o incerto, perigoso e selvagem Acre, onde passaria 20 dias entre o povo Huni Kuin, a “Gente Verdadeira”.

guto-lima-the-summer-hunter-amazonia-10

Aprendi, com o estudo de manifestações populares, que conhecer o “fundamento” é preciso. Eis um motivo elegível para justificar a jornada que segui. A força do fundamento me atraiu até a fronteira entre o Acre e o Peru. Fui atrás do fundamento da humanidade, do fundamento da floresta, das ervas medicinais, da tradição espiritual que me arrebatou poucos meses antes — mas especialmente do meu fundamento. Haveriam de emergir dessa aventura ensinamentos importantes sobre a vida. A abertura era grande e a entrega, irrestrita.

Refleti sobre quem era, deixei ir tudo o que quisesse. Juntei meia dúzia de coisas, das quais poucas foram úteis (e quando úteis, indispensáveis), e parti.

De onde viriam as principais lições? Das pessoas? Da floresta? Do silêncio? Do ócio? Em que afinal seria interessante me concentrar? Ao contrário, decidi simplesmente viver tranquilamente, com a expectativa baixa e a lanterna apagada. Sentir a trilha da mata na noite para exercitar novas possibilidades e novos espaços.

guto-lima-the-summer-hunter-amazonia-11

Desculpe. Ajudar a criar a sua memória em relação aos Huni Kuin é grande responsabilidade da qual atrevo tentar apenas por meio de imagens, não por palavras. Talvez, só por duas: gente verdadeira.

Acordar com o dia e dormir com a noite. Se fartar de alimento puro, plantado e colhido com suor de quem me serviu, e prosear por horas em Hantxa Kuin sem entender uma palavra, decifrando o olhar, a atmosfera, o indizível. Mergulhar nu no igarapé e ouvir meu coração batendo. Dar muita risada com crianças. Seres solares e estrelares. Perceber o sol em tudo e viajar no céu de constelações infinitas. Viajar. Balançar na rede e exercitar a paciência. Falar comigo.

Me emocionar com a pureza e sabedoria de quem ouve a história do assassinato do Rio Doce e responde com olhos grandes, brilhantes de tristeza:

– Onde você mora tem rio?
– Tem.
– E você toma banho nele?
– Não posso porque é sujo.
– Puxa!

guto-lima-the-summer-hunter-amazonia-12

Contemplar a beleza selvagem de todos nós índios.

Contemplar as mulheres, jovens e velhas, sábias. Crianças.

Receber de manhã o abacaxi-presente que perfumou o espaço por dias. Ver e agradecer a Deus pelo pôr do sol da minha janela. Janela?

guto-lima-the-summer-hunter-amazonia-5

Sentir raiva, sentir frio, sentir calor pra cacete, sentir o vento. Sentir mais, pensar quanto menos preciso. Muito menos preciso. Mas lá no Acre não tem nada, disse alguém. No Acre tem tudo. Tem a floresta e a pecuária selvagens. Tem momentos de luz e momentos de sombra. Tem a vida e a complexidade infinita. Eu tenho bunda, você tem bunda, índio tem bunda. A dos índios é mais bronzeada e sarada, pude observar. Aprender-ensinar-aprendendo com meus novos amigos. Viver fora do tempo.

Cheirar rapé.

Sagrada é a medicina Huni Kuin e remédios se descobrem com a ciência do Pajé. Um pajé me disse que não precisa de Google — quando se toma o Nixi Pae com Kawa a planta fala explicando sua força e sua cura. São mais de 350 espécies medicinais catalogadas no livro da cura Huni Kuin. Muito haux para o grande e lendário pajé Ikamuru. Yoshibu, o guarde.

guto-lima-the-summer-hunter-amazonia-9

Sagradas são as plantas da floresta e todas as viagens em que me levaram intensa e profundamente pra dentro e pra fora, num balanço do mar e da copa das árvores, e me trouxe de volta, seguro e fortalecido. Mais ciente sou, mais crente dos limites e potenciais, mais leve e mais poderoso. A vida não acaba, disse o pajé. É sentindo a beira do abismo que percebo com mais força a potência da vida, para o bem e para o mal. Para o bem.

São dois os caminhos – para cima e para baixo. Estamos na ponte sem saber pra onde ela leva. A ponte tem fim? Faz curvas ou vai reta? Vejo névoa.

Vejo sol.

guto-lima-the-summer-hunter-amazonia-8

A grande lição da temporada na floresta foi aprender a não esperar a grande lição. É dar grande proporção também para as pequenas coisas, brincando de escala com a vida, revirando a mesma gaveta mil vezes ou jogando a gaveta fora. Dar a volta na mesma quadra pra fotografar novamente. A grande lição não posso explicar. Senti enquanto voava sobre a floresta-mar. Para onde olhava, havia um mar de vida. Havia seres encantados, mistérios, ancestralidade e cura.

Só não vê quem não quer ou quem tem medo de voar.

E do doce, generoso e confortante Acre voltei. 20 dias e 20 noites depois. Respeito profundo aos seres do Acre, seres do nosso planetinha infinito. A vida não acaba. Viajar e voltar mais forte. Aos 37 anos ganhei presentes valiosos que me protegem e me firmam no bem. Amigos, paisagens, rituais, amores e mistérios.

guto-lima-the-summer-hunter-amazonia-7

Percebi melhor e brinquei de escala com meu ego, me entreguei um pouco mais para minha essência. Minhas ações dizem mais.

Que as forças que nos protegem nos defendam no combate e sejam nosso refúgio contra as maldades. Derramem em nossos corações o espírito da verdadeira e sincera humildade.

Quando eu morrer quero ser plantado com sementes de Sumaúma, a poderosa árvore mãe. Crescer e ver o mundo do alto e do fundo da terra, semear.

guto-lima-the-summer-hunter-amazonia-6

Quando o primeiro índio contemplou a natureza, com espanto exclamou:
– A!

Em seguida, ainda mais arrebatado entoou:
– E!
– Aaaahhh!
– Eeehhhh!

E assim surgiu a sagrada música Huni Kuin:
– Aaaaaaa, Aaaaaaa, Eeeeee, Eeeeee, Aaaaaaa!

Haux!

Sempre, quando surge alguém na aldeia, os Huni Kuins saudam a distância, um a um. Da mesma forma, bem vindos ao meu processo e minha casa.

por Guto de Lima

Quer ter em sua parede algumas dessas ou outras fotos, todas da Amazônia, clicadas pelo autor deste ensaio, com impressão fine art em papel algodão? Clica aqui reserve a sua