Places

54 horas: um fim de semana pelas praias do Egito

Por Lilian Kaori Hamatsu -

Entre a imensidão azul de dois golfos – Ácaba e Suez –, uma cadeia montanhosa por onde caminharam profetas e peregrinos parece abandonar um passado marcado por conflitos religiosos para receber cada vez melhor os despretensiosos viajantes que chegam do Ocidente. Em plena Península do Sinai e banhadas pelo Mar Vermelho, as praias egípcias nada remetem aos desertos e monumentos históricos tão característicos do país. Pelo contrário, são vivazes, com cachorros peludos acompanhando seus donos em caminhadas matinais e uma atmosfera boemia que muito se assemelha ao frescor da vida na Califórnia.

Há cerca de 100 quilômetros da agitada Sharm El Sheikh – onde reinam cassinos e casas noturnas em meio ao cenário idílico formado por areia fina, águas cristalinas e recifes de corais – está um dos destinos mais procurados pelos observadores da vida marinha que estão de passagem pelo Oriente Médio: Dahab. Terra dos mochileiros, nômades e viajantes mais desapegados, a cidade é uma das poucas em todo continente africano onde os gringos são maioria. Durante os meses de julho e agosto, quando o verão atinge seu auge, as temperaturas chegam a alcançar 38°C. No entanto, o que não faltam são programas, passeios e ambientes pra curtir o sol – ainda que essa seja a terra de Sin, o deus da lua – estralando sobre o corpo.


Dia 01

Foto: Reprodução Facebook

9h

Café da manhã na Ralph's German Bakery

Com uma infinidade de pães, bolos e especialidades europeias, a Ralph's German Bakery é um pulinho na Alemanha sem abandonar o pé na areia. Assim como os frequentadores do espaço, as receitas também são importadas. Diferentemente dos estabelecimentos vizinhos, é pouco colorida e o menu elaborado. Quando estiver por lá, não deixe de provar o strudel de maçã e a quiche vegetariana.
El Fanar, Lighthouse
ralphsgermanbakery


Foto: Mac Zkus/iStock

11h

Mergulho no Blue Hole

Em Abu Galum, a cerca de 10 quilômetros ao norte de Dahab, diversas empresas que oferecem serviços de mergulho estão disponíveis para contratação nas imediações do Blue Hole, um sumidouro com 100 metros de profundidade. Como agendamento prévio não é necessário, fique a vontade para apreciar a beleza de corais, peixes e outras espécies marinhas em um ambiente extremamente preservado e no seu próprio tempo. Perto dali, aproveite pra se banhar nas águas estoantes da Lagoa Azul, grande protagonista de uma praia que de tão intocada parece ter parado no tempo.


Foto: Reprodução Facebook

14h

Almoço vegetariano no Red Cat

Na volta da experiência, explore os sabores da cozinha de Marianna Yakutova, uma das muitas viajantes que se apaixonou pela cidade e dediciu fazer morada por lá. De tempero russo e influência oriental, o Red Cat possui menus sazonais inspirados em diversas culturas, como a gregoriana e a japonesa. A decoração do restaurante se assemelha aos famosos cafés que aceitam gatos e, além de ecofriendly, o espaço oferece uma boa seleção de pratos vegetarianos pra quem não consome insumos animais.
Qesm Saint Katrin, Lighthouse Area
redcatdahab


Foto: Reprodução

16h

Compras na Why Not

Assim como em qualquer cidade com influência hippie que se preze, Dahab é cheia de lojas de artesanato e produtos desenvolvidos por moradores da região. Acessórios feitos à mão e itens de decoração como cerâmicas, relógios e luminárias com design diferenciado (menos étnicos do que os encontrados em outros estabelecimentos e extremamente despojados) fazem da Why Not parada obrigatória. Caso levar um pouquinho do Egito para casa não seja muito a sua pegada, a visita ainda é válida nem que seja pela foto em frente à fachada do local.
24668, Mashrba Street


Foto: Reprodução Facebook

18h

Cheesecake e pôr do sol no Everyday Café

Quem visita o Everyday Café logo se apaixona pela atmosfera acolhedora do ambiente. Um balanço rústico pendurado por cordas bem no meio de uma enorme janela com vista para o mar é disputado pelos obcecados por cenários instagramáveis. Com bicicletas e pranchas de surf suspensas no teto e nas paredes, o local é queridinho entre viajantes e organiza shows de bandas e saraus de literatura todas as noites. Nada como aplaudir o pôr do sol debruçada sobre uma das redes do segundo andar enquanto come uma fatia do "melhor cheesecake da cidade".
46617, Qesm Saint Katrin, South Sinai
everydaycafedahab


Foto: Reprodução Facebook

21h

Jantar mexicano no Jackie's

Imagine um restaurante a céu aberto com vista para o Mar Vermelho e erguido sobre ripas de madeira. Esse é o Jackie's, mexicano com influências texanas que faz sucesso durante as noites quentes no Sinai. Por lá, além de uma cozinha pautada pelos tradicionais burritos e enchiladas, a diversa efervescência cultural se manifesta por meio de aulas de ioga durante o dia e salsa quando cai a noite.
El Masbat Street, South Sinai
jackies_dahab


Dia 02

Foto: Reprodução Facebook

9h

Café da manhã no El Khan

Colorido e despretensioso como praticamente todos os outros cafés da região que mais parecem cabanas de praia, o El Khan se diferencia pela mistura de sabores que coloca à mesa durante a manhã. De café turco e panquecas, passando pelos tradicionais pratos americanos e ingleses, o menu é uma verdadeira odisseia de referências.
24668, Masbat Square
elkhancafedahab


Foto: Mor Shani/Unsplash

11h

Ioga e caminhada pela praia

Depois do café, caminhe pela Masbat Square, atravesse a ponte e aproveite o fim da manhã pela praia. Sem muitas ondas, o mar é propício até pra quem não sabe nadar. Caso tenha preferência por terra firme, especificamente areia, vale praticar ioga ou arriscar uma caminhada lenta enquanto aprecia a brisa e as paisagens. Além disso, também é possível alugar uma bicicleta em qualquer esquina e sair explorando os arredores da cidade.


Foto: Reprodução Facebook

13h

Almoço no Shark Restaurant

Embora especializado em frutos do mar derivados da produção local, o Shark Restaurant surpreendentemente oferece uma boa quantidade de opções vegetarianas em seu menu. Dessa vez a fachada mais remete aos surfistas dos anos 90 do que propriamente aos boemios e hippies. Já a culinária é pautada pelo tempero egípcio e não decepciona em tamanho (pratos bem servidos). Quem gosta dos sabores mediterrâneos deve apostar no Royal Seafood (lagosta, camarões, lula, ostras e caranguejo). Para os veggies, saladas gregas ou pratos orientais com muito homus, tahine e baba ganoush.
Qesm Saint Katrin, South Sinai
sharkrestaurantdahab.com


Foto: yykkaa/iStock

16h

De quadriciclo pelo deserto do Sinai

Como acontece com os equipamentos de mergulho, a facilidade de encontrar agências e estabelecimentos que alugam quadriciclos é grande. Sem experiência prévia necessária, qualquer aventureiro pode pilotar o veículo pelas curvas sinuosas do deserto do Sinai. Por ser um pouco distante da região litorânea, com cerca de quarenta minutos de percurso até avistar um outro tipo de cenário onde a areia predomina, o passeio leva a tarde toda e rende bons encontros. Tribos africanas tradicionais como os beduínos vivem como nômades pela região e o Colored Canyon é deslumbrante enquanto cai o sol.


Foto: Reprodução Facebook

20h

Jantar tailandês no Blue House

Por mais que a influência europeia seja predominante na gastronomia local, vez ou outra algum outro tipo de cozinha faz sucesso. No caso da Blue House, os curries coloridos ficaram famosos por trazer a Tailândia para perto de quem vaga pelas calçadas invadidas por areia em Dahab. Mais elegante e sóbrio, o espaço é intimista e perfeito pra quem quer fugir da agitação dos outros restaurantes. Apreciadores de pimenta devem solicitar um bowl de spicy red curry, o mais pedido por lá.
Qesm Saint Katrin, South Sinai


Foto: Benny Marty/iStock

23h

Trilha no Monte Sinai

Duas horas de carro separam a região onde estão localizados todos os hotéis, restaurantes e lojas de Dahab e o Monte Sinai. Antes de mais nada, é importante ressaltar que a trilha até o topo requer alguma resistência física e preparativos simples. Leve uma garrafa de água, lanterna e vista roupas quentes pois o calor do sol permanece apenas em terra plana. Uma caminhada de cerca de três horas sobre a superfície íngreme culmina em um dos mais belos picos de todo o país. Quem não conseguir completar o percurso pode parar nas tendas localizadas ao longo do trajeto, onde servem chá, café, chocolate quente e disponibilizam cobertores aos clientes.


Dia 03

Foto: Oleksii Hlembotskyi/iStock

6h

Nascer do sol

Enfim no topo da montanha, observar o nascer do sol alaranjado é uma das experiências mais enriquecedoras que se pode ter ao visitar um país como o Egito. Tire um tempo pra descansar e apreciar a beleza da paisagem ao seu redor. Na volta, não deixe de visitar o Mosteiro de Santa Catarina, Patrimônio Mundial da Unesco e uma herança do Império Bizantino para a humanidade.