Solar Vibes

Compre local: uma lista para ajudar os pequenos empreendedores de SP

Por
Lilian Kaori Hamatsu

Com a intenção de ajudar os pequenos empreendedores de São Paulo, criamos esta lista com alguns dos locais que estão nos ajudando durante a quarentena — de bem-estar a comidinhas, de moda a cultura & arte.

⁣⁣⁣Nos últimos dias, o comércio de rua e os shoppings centers começaram a reabrir em diferentes regiões do Brasil. E como ficam os pequenos empreendedores, aqueles que preferem manter portas fechadas por mais tempo com medo de uma nova onda de contaminação? Normalmente são empresas de uma loja só, cujos donos estão na lida diária e, nesse momento de crise, também desempenham o papel de delivery, contador, financeiro, social media, fotógrafo… A conta não está fechando. E essas lojas queridas, que a gente costumava ir não só para comprar, mas também para bater papo com os proprietários e dar um respiro na vida, podem simplesmente desaparecer.⠀⠀⠀
⠀⠀⠀
Nossa intenção é ajudá-los a vencer esse mar agitado, o qual a gente também navega. Portanto, se estiver precisando de algo — ou quiser presentear alguém —, lembre-se antes dessa lista, entre tantos e tantos outros endereços que não estão presentes aqui.⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀
E não esqueça que nós também temos a nossa lojinha online com tote bags, revistas e peças dos artistas Camila Cherobin e Ricardo Bueno. Esta lista (e tantas outras reportagens) também está disponível na nova revista do The Summer Hunter, que você pode baixá-la grátis, em português ou inglês, neste link.

Comer & Beber

Cafeína Records

Com a premissa de produzir “cafés que soam como música aos ouvidos”, a Cafeína Records apresenta o trabalho de fazendeiros e mestres de torra paulistas e mineiros aos moradores e habitués de Pinheiros e do Itaim Bibi. Durante a quarentena, quem vive em SP pode comprar, na loja virtual, variedades locais com notas de caramelo, chocolate ou laranja e gostinho de samba, afro jazz e soul. Quando sair for seguro, rola experimentar no Botanikafé, na Casa Reviva, no Isla Café e na Leve Detox.
@cafeina.records

Casa de Ieda

Quem já visitou o pedacinho de Bahia em forma de restaurante sabe do afeto com que Ieda de Matos tempera sua comida. A boa do isolamento é pedir o menu da semana, que inclui uma porção do baião de dois da casa (tem opção vegetariana) com acompanhamentos sazonais e sobremesa. Na entrega, tudo com sabor de cozinha tradicional da Chapada Diamantina e um bilhete escrito à mão pela própria cozinheira.
@casadeieda

Casa Raw

Fechado desde 18 de março, o restaurante vegano com cardápio livre de glúten e cheio de opções crudívoras reabriu sua cozinha apenas para entregas. Durante a pausa, houve implementação de novas medidas de higiene e adaptação dos clássicos pratos com ingredientes frescos da chef Thaina Andrade. Entre as criações agora disponíveis por delivery, o falafel com arroz negro e a mousseline de mandioquinha com almôndegas de cogumelos são queridinhos.
@casaraw

Farinha na Cozinha

Um arquiteto que queria aprender fermentação natural e uma administradora de empresas apaixonada por modelar massas estão por trás de um pequeno espaço aromático dentro de uma vilinha no Higienópolis. De lá saem cookies, brownies, focaccias e pães artesanais quentinhos para entrega. O produto mais vendido é também um dos favoritos de Gui e Dani, a dupla fundadora: campagne, o pão rústico francês.
@farinha.na.cozinha

Instituto Acácia

Na missão de promover o comércio justo entre produtores de alimentos orgânicos e consumidores preocupados com a sustentabilidade do processo alimentar, a mercearia de Paula, Gabriel e Felipe organiza a entrega de cestas com frutas, verduras e legumes agroecológicos, capazes de fortalecer qualquer sistema imunológico.
@instituto_acacia

Jesuíno Brilhante

Nada se compara a um bom prato de “paçoca” de sol com macaxeira. Melhor ainda se chegar quente, com gostinho de sertão potiguar e acompanhada de histórias familiares. Por agora, dá para pedir no delivery ou comprar antecipadamente um pacote de refeições e consumir no próprio restaurante com nome de cangaceiro, quando este for reaberto.
@jesuinobrilhante

Makemake

Com o apoio da esposa Márcia, que fez do sonho do marido um negócio de casal, Cláudio abandonou o mercado financeiro para se dedicar à transformação da amêndoa de cacau em chocolate. Juntos, eles fundaram uma pequena fábrica de biscoitos, bombons e barras artesanais, que carregam na identidade ingredientes 100% brasileiros e combinações saborosas. Na dúvida, experimente o pop castanha de caju.
@mymakemake

Beleza & Bem-Estar

Bergamia

Livres de toxinas e parabenos, os cosméticos da marca paulistana são veganos, orgânicos e distribuídos em embalagens biodegradáveis. Além de máscaras de argila e um gel dental de carvão ativado com hortelã, a Bergamia produz hidratantes, demaquilantes e sabonetes derivados de ingredientes como malaquita, murumuru, buriti, pequi e sálvia.
@bergamia_cosmeticos

Coletivo Una

Na intenção de permanecer ativo após o fim da pandemia, o sobrado pinheirense que abriga uma loja, um bar, um café e um estúdio está atuando de maneira 100% digital e comercializando vouchers que valem xícaras de café espresso, drinks, sessões de massagem, tatuagens e ensaios fotográficos para uso depois que reabrir.
@coletivouna

Incensaria Primeira Folha

A partir de fórmulas naturais herdadas de sua mãe de santo do candomblé, João Diel desperta o místico e o sagrado em forma de incensos em pó perfumados, banhos de ervas que ajudam a combater os males contemporâneos da alma e pós conhecidos como pembas, usados em momentos de busca por força e proteção.
@1folha

Tanuka Nalini

Com o mesmo amor de mãe que dedica ao filho, Nalini cuida dos aromatizadores, manteigas corporais, óleos, perfumes, desodorantes, sabonetes íntimos e hidratantes artesanais e terapêuticos disponíveis em sua loja virtual. Com foco no alívio de tensões e desequilíbrios do corpo e da mente, alguns produtos também auxiliam na regulação do ciclo menstrual e no combate à ansiedade.
@tanukanalini

Arte & Cultura

Livraria Mandarina

Livros de filosofia, política, ciências sociais, psicologia e literatura constituem todo o acervo da livraria com nome de fruta. Fundada no ano passado pela jornalista Roberta Paixão e pela publicitária Daniela Amendola, o negócio carrega a missão de tornar acessíveis autores brasileiros de todos os estados e abrir espaço para editoras pequenas e independentes. É possível encomendar todas as publicações do acervo por WhatsApp.
@livraria_mandarina

Marcella Briotto

O equilíbrio entre o material, o espiritual e a natureza permeia os trabalhos da artista paulista. Em suas telas e madeiras, corpos femininos, folhagens e elementos geométricos escondem sentimentos, reflexões e sensações. Ao pintar plantas consideradas protetoras, como arruda, alecrim e comigo-ninguém-pode, por exemplo, Marcella ilustra a busca por resguardo e cuidado.
@marcellabriotto

Robinho Santana

No afropunk intrinsecamente brasileiro retratado por Robinho em acrílica sobre tela, há cores vibrantes e sutis dando vida aos homens e mulheres pretos do país. Cada escolha de sombra e contorno revela a força de um movimento subversivo que atravessa a experiência de vida do artista, que se define como “mais um rapaz comum”.
@robinho_santana

Museu do Isolamento Brasileiro

Criado por Lu Adas, também proprietária de um outro perfil dedicado a dicas culturais e arte, esse é o primeiro museu brasileiro online que se propõe a divulgar trabalhos desenvolvidos por pequenos artistas durante a quarentena. A galeria formada por centenas de desenhos, pinturas, grafites, bordados, colagens e fotografias serve como vitrine para que possamos conhecê-los.
@museudoisolamento

Moda & Decoração

Calma São Paulo

É na casa-ateliê de Kelly Kim e Adrien Gingold, localizada na Vila Madalena, que a dupla recorta moldes e tecidos de algodão, costura e dá acabamento aos conjuntinhos confortáveis e agênero da Calma. As únicas quatro modelagens (de kimono, calça, shorts e camisa) produzidas pelo casal aparecem nas mais variadas padronagens e podem ser usadas de ao menos três formas diferentes, multiplicando possibilidades de combinação entre as mesmas peças.
@calmasaopaulo

Wu Atelier

Técnicas de ourivesaria dão forma à estética contemporânea e escultórica da joalheira Karen Wu. De latão banhado a ouro, brincos, pulseiras, colares e anéis do ateliê já fizeram parte do figurino da cantora Linn da Quebrada. Todas as criações estão à venda na loja virtual, divididas em coleções que remetem a folhagens, ossadas, rosas e flechas.
@wuatelier

Lola

Quarentena em casa combina com pijamas, e vestindo um dos conjuntos de algodão da marca paulistana dá até pra encarar chamadas de vídeo e ensaiar a transição das camisas para o guarda-roupa do dia a dia. Na compra de qualquer peça da coleção oriental, 100% do lucro será revertido para a ONG Casa do Rio, que fornece apoio aos ribeirinhos de comunidades amazônicas durante a crise de Covid-19.
@_shoplola_

Misci

Da fusão de raízes sulistas, indígenas e nordestinas presentes em seu DNA, o designer Airon Martin faz nascer camisas, calças e casacos de modelagem ampla e influência feminina para corpos não limitados ao gênero. Misci, de miscigenação, é o resultado do trabalho plural e modernista do sul-mato-grossense baseado em São Paulo.
@misci__

Casa Diária

De estética minimalista e curadoria apurada, a loja de Raphael Dias e Raffaele Asselta importou sua seleção de itens produzidos por marcas locais e independentes para o ambiente digital. No e-commerce é possível encontrar toda sorte de objetos para tornar os dias em casa mais confortáveis, de velas, tapeçarias e toalhas a livros, revistas e cadernos.
@casa.diaria

Hebert Loureiro

Em solo paulistano, onde escolheu viver, o ilustrador e designer gráfico alagoano cria cerâmicas, broches e cangas – que também podem ser usadas como objetos decorativos – a partir de referências e expressões do universo LGBTQI+. Suas composições incluem abundância de cores, animais e elementos gráficos diversos.
@herbbbbie

Lebú

Variedades de argila com acabamento esmaltado dão origem aos pratos, tigelas, canecas, vasos e acessórios modelados à mão por Viviane Tabach na Casa Aberta, ateliê que divide com Tomas Faria e Lano-Alto. Os detalhes presentes nas cerâmicas e porcelanas são fruto de um processo serigráfico que exige muita técnica e dedicação.
@_lebu

Natalia Felippe

Nesse momento em que a natureza parece mais distante, as colheres, pedras e madeiras pintadas por Nati trazem um sopro de vida ao lar. Frutos de sua profunda paixão por arte botânica e elementos naturais, as flores, folhas, cristais e constelações que estampam os objetos também expressam a busca da artista por equilíbrio, cura e reinvenção.
@natifelippe

Este post foi originalmente publicado na Edição #04 da revista do The Summer Hunter. Faça o download gratuito aqui