Solar Vibes

Está planejando viajar sozinha? Leia esse post antes

Por
Betina Neves

Alguns toques espertos para quem está pensando em cair na estrada na própria companhia.

Se você der uma chance, é bem possível que viajar sozinho te conquiste. Pode ser uma oportunidade incrível para aprender a ter mais autonomia e adquirir autoconhecimento, para poder tomar decisões segundo suas próprias vontades e propósitos, para fazer viagens mais espontâneas e se abrir a conhecer gente legal pelo caminho. Além disso, nem sempre a gente consegue conciliar tempo de férias (e interesses) com amigos e familiares. Veja nossas dicas para se planejar — e se proteger.

Saiba que, com a prática, a coisa normaliza

Para quem ainda tem algum receio, depois de uma ou duas viagens nesse “modelo” você se acostuma – e talvez goste mais dele do que esperava. Difícil superar a liberdade e a possibilidade de contemplação e espontaneidade que se tem em um rolê solo.

Tome os cuidados básicos com segurança

Isso inclui evitar pegar transporte público de madrugada e até se informar sobre problemas específicos — golpes comuns com turistas, por exemplo — do lugar que você vai visitar. Isso varia imensamente com o destino.

Selecione bem o destino

Na prática, você pode ir para qualquer canto sozinho. Mas alguns lugares vão te fazer sentir, digamos, menos solitário. Grandes capitais, por exemplo, sempre têm muito o que fazer. Também convêm destinos com uma cena mochileira forte (Peru, Bolívia, Sudeste Asiático, Austrália, algumas regiões da Europa, México e partes da América Central), lugares onde você pode entrar em excursões com outras pessoas (Atacama, Machu Picchu, Bonito) ou points de praia e natureza agitadinhos (Praia da Pipa, Jeri, Floripa, Chapada dos Veadeiros).

Saiba para onde não ir

Roteiros “românticos” (cidades pequenas em Portugal, tour de vinhos na Toscana, pousadinha de inverno em Monte Verde) e viagens longas de carro podem não ser tão interessantes para quem viaja sozinho. Para mulheres, alguns países podem não ser tão acolhedores — vide a Arábia Saudita. Vale pesquisar bem antes de ir.

Se for o caso, junte-se a um grupo

E não (necessariamente) o clássico grupo de excursão. Hoje há uma série de pequenas agências, pessoas e influenciadores de nichos diversos que organizam grupos com um propósito específico: yoga, fotografia, trekking, camping, só mulheres…

Fique em um hostel

Esse tipo de hospedagem está cada vez mais diversificado, englobando também quartos privativos e espaço de coworking. É possivelmente o jeito mais eficaz de conhecer outros viajantes. Leia bem as resenhas no site de reservas para entender a vibe do lugar: alguns hostels têm uma proposta mais jovem e festeira, enquanto outros acolhem melhor o pessoal mais velho.

Saiba onde comer

Sentar em um restaurante sozinho ainda intimida muita gente. Nesse caso, mercados gastronômicos, feiras, padarias e cafés são mais interessantes. Comprar um sanduíche e comer no parque também vale. A saber: ter um livro ou Kindle na bolsa ajuda a lidar com refeições solitárias.

Reserve cursos e atividades

Isso pode enriquecer muito sua trip sozinho. Pode ser desde visitar uma cervejaria artesanal a participar de um retiro espiritual, de se inscrever em curso de língua a fazer um trabalho voluntário.

Se for para o exterior, calibre o inglês

Quanto mais você domina a língua mais fácil é de fazer amizades fora do Brasil, além de se virar para pedir orientações por aí.