diversão & arte

Em Paris, exposição “California Dream” faz viagem ao universo do surfe na década de 60

Por Laura Cesar -

Surfe não é apenas sobre subir na prancha e pegar onda. A prática é também símbolo de liberdade, aventura e sensualidade. E foi lá, na Califórnia dos anos 1960, que o esporte começou a moldar o lifestyle que até idealizamos hoje: bem diurno, sem pressa e com programas que envolvem pé na areia, cabelo ao vento e banho de mar.

O estilo rebelde, as manobras sobre as ondas e os encontros nas praias faziam da Califórnia um paraíso do surfe. A moda era fugir de todos os estereótipos impostos e buscar adrenalina em comunhão com a natureza. Foi nesse período, por volta de 1965, que as mulheres começaram a trocar os maiôs pelos biquínis, que surgiram os calções de banho para os homens (conhecidos como boardshorts) e que bandas icônicas como The Beach Boys e The Mamas and the Papas conquistaram os principais points da cidade.

Foto: François Fontaine

E é dentro deste epicentro da cultura do surfe que surgem fotógrafos fascinantes como o americano Jeff Divine e o francês François Fontaine, cujas fotos ilustram a exposição “California Dream”, que acaba de estrear na A-Galerie, em Paris. A expo é o confronto dessas duas visões artísticas sobre o mundo do surfe. De um lado Jeff Divine, que durante 35 anos retratou pra "Surfer Magazine" e "Surfer’s Journal" o lado vintage das ondas, e de outro François Fontaine, com suas imagens borradas e atemporais.

A série belíssima de imagens nos leva ao universo dos surfistas na Califórnia de meio século atrás, um símbolo do sonho americano que continua presente no nosso imaginário nos dias de hoje.

Foto: Jeff Devine
Foto: Jeff Devine
Foto: François Fontaine