Places

54 horas em Angra dos Reis: um fim de semana pé na areia no mais praiano dos hotéis Fasano

Por
Ricardo Moreno
Em
8 janeiro, 2020

À beira-mar, o Fasano Angra dos Reis é um convite ao hedonismo e aos prazeres simples, como um mergulho nas águas claras da baía de Ilha Grande.

O monomotor com capacidade para nove passageiros dança no céu de São Paulo enquanto, entre nuvens, o mar de prédios vai ficando pra trás. Da decolagem do aeroporto do Campo de Marte, na capital paulista, até a chegada a Angra dos Reis, a pouco mais de 100 quilômetros a sudoeste do Rio de Janeiro, o trajeto dura cerca de 1 hora. Próxima a chegada, o mar que se avista, mais azul e agradável aos olhos, é a da baía de Ilha Grande. Entre ilhotas como a do Porco, da Cavala e do Capítulo, o teco-teco pousa no aeroporto de Angra. Por mais que você tenha intimidade com o céu, a experiência nesses aviões de pequeno porte, nem sempre confortáveis ou de fabricação recente, é um exercício de desprendimento da vida terrena e material. A 30 quilômetros dali, vencidos de carro por uma sinuosa estrada, chega-se ao Hotel Fasano Angra dos Reis, dentro do enorme condomínio residencial Frad.e. E toda vida material da qual horas antes, impelidos pela culpa católica, exercitamos em abrir mão, agora pulsa na nossa cara em caprichos capitalistas irrecusáveis: móveis de Sérgio Rodrigues e Hugo França, taças de cristal Riedel, camas king size com travesseiros de pluma que te convidam a hibernar por dias, semanas, fileiras de iates luxuosos atracados na marina particular, carrinhos de golfe transportando boa parte do PIB nacional. Como nada é eterno, eis o máximo que conseguimos aproveitar nas 54 horas que estivemos nesse mundo paralelo.

Dia 1

16h
Chegando por cima

Voar do Campo de Marte até Angra dos Reis é a forma mais rápida de alcançar o paraíso. Mas tem um preço. A Flapper, que faz esse trajeto, é uma espécie de Uber com asas. O preço varia de acordo com a demanda. Dá pra encontrar cada trecho por R$ 700. Se você está disposto a pagar cerca de R$ 2.000 por cada noite no hotel, o que custa gastar mais R$ 1.400 pra chegar lá da maneira que o fim de semana merece, hein?

O Cessna Grand Caravan, que sai de Campo de Marte com destino a Angra | Foto: Ricardo Moreno

21h
Jantar com brisa do mar

Aberto somente para o jantar, o Crudo é um dos três restaurantes do hotel. A especialidade são os frutos do mar. Além do cardápio com 25 opções selecionadas pelo chef Luca Gozzani, a exemplo do polvo grelhado com alcachofra e a deliciosamente simples vieira com saquê e sal, há uma seção especial de sushis e sashimis assinadas pelo mestre Jun Sakamoto. Vá sem erro em qualquer um deles. E peça uma mesa do lado externo, mais agradável e silencioso que o salão principal.

Dia 2

8h
Saco vazio não para em pé

Como você pegou leve no jantar na noite anterior, merece uma recompensa: o café da manhã. Localizado no primeiro andar, o Bar do Hotel oferece uma vista capaz de relaxar até as mentes mais inquietas, tendo o mar e o recorte das montanhas como pano de fundo. Pro lado oposto, a vista é igualmente saborosa: um buffet que inclui de ostras frescas a uma variedade de pães de fermentação natural produzidos ali mesmo. Há, ainda, opções à la carte com alguns tipos de preparo de ovos que, aposto, você nem sabia que existia.

O mar verde e quente da baía de Ilha Grande, em Angra | Foto: Ricardo Moreno

9h30
Navegar é preciso

O que é a vida senão uma sequência de tropeços até o tombo final? Entre uma queda e outra, portanto, melhor cair em algo macio. E quente. E um dia singrando pelas águas mornas da baía de Ilha Grande, entre mergulhos na Praia da Gruta, Ilha dos Macacos, Lagoa Azul e Botinas, esta última de uma beleza proporcional à superlotação digna de Mongaguá no réveillon, compensa qualquer crise existencial. O aluguel do barco, por um período de quatro horas, sai por R$ 1.900, mais o combustível. Se você encontrar pelas águas um megaiate de mais de 40 metros, que mais parece um shopping center flutuante, não pense que é Logan Roy, o patriarca da série Succession, e família de férias. Trata-se do “barquinho” de Luciano Huck.

13h
Almoço a bordo

Um almoço leve no caminho de volta à terra firme pode ser uma boa pedida. Entre taças de espumante, rosés italiano e cervejas geladas, que tal um ceviche fresquíssimo pra comer se lambuzando, enquanto o barco corta as águas da baía? Mas lembre-se de programar o rango com antecedência, junto ao concierge do hotel.

Marea Club: piscina, espreguiçadeira e gin tônica ao cair da tarde | Foto: Daniel Pinheiro/Divulgação

16h
Ócio nada criativo

Depois de uma manhã no mar, é prudente tirar o sal do corpo. No entorno do Bar do Hotel localiza-se a principal piscina do complexo, batizada de Marea Club. Com 25 metros de extensão e rodeada de ombrelones e espreguiçadeiras, é o local ideal para ver o sol se pôr entre um mergulho e uns dois, três gin tônicas, por que não?!

18h30
Intervalo para compras

No piso térreo, do lado esquerdo da entrada principal do hotel, um charmoso boulevard conta com várias lojinhas – de biquínis e obras de arte a padaria. Aqui, no caso, o mais correto é falar panetteria, fazendo jus às raízes italianas dos Fasano. Tome um capuccino, devore uma tartelete de morango e peça um pão de levain pra viagem: boa maneira de estender o gostinho desse findi especial durante seus cafés da manhã mundanos em casa na próxima semana.

21h
Jantar pé na areia

Você já entendeu: comer pouco no jantar pra abusar de todo o resto no dia seguinte. Aproveite, então, pra conhecer o Restaurante Praia. Como o próprio nome diz, fica na areia e é bem descontraído: dá pra ir de Havaianas e com a roupa que passou o dia sem risco de se sentir deslocado. O foco do cardápio são refeições mais leves e rápidas, mas igualmente saborosas, como saladas e sandubas.

Dia 3

A entrada do spa: 8 salas de tratamento, 2 piscinas, sauna e banheira com sal do Mar Morto | Foto: Daniel Pinheiro/Divulgação

9h
Uma droga chamada shiatsu

Não sei você, mas pra mim massagem é sinônimo de chapação. E pra que isso seja possível, a pessoa responsável pela sua good trip precisa ter mãos fortes. Entre os vários tratamentos disponíveis no spa do Fasano Angra, que é o maior do grupo, sugiro o shiatsu. Na sequência, emende numa sauna (seca ou úmida), vá pra piscina com potentes jatos massageadores e termine na raia de 25 metros. Now, back to Earth.

13h
Mata Atlântica adentro

Instalado dentro do condomínio de luxo Frad.E, numa área total de 17 milhões de metros quadrados, o Fasano Angra do Reis também oferece passeios pra quem, não necessariamente, quer passar o dia no mar ou na piscina. Pegue um dos carrinhos de golfe disponíveis na entrada e dê uma volta pelo campo de golfe, pela fofa igrejinha e pela trilhas na Mata Atlântica e esteja pronto pra encarar um hiking ou um revigorante banho de cachoeira.

Um passeio pela propriedade do Frad.E inclui conhecer essa igrejinha, às vezes palco de casamentos | Foto: Daniel Pinheiro/Divulgação

15h
Pra dizer adeus

Coroando sua última refeição antes de pegar o avião de volta, nada melhor do que uns acepipes e uma cervejinha ao lado da piscina, no Marea Club. Lembre que o avião é pequeno, e qualquer quilo a mais pode fazer a diferença na decolagem (risos nervosos).