People

Maria Ruth Jobim: baralho e paint brush para retratar o olhar feminino

Por
Rafaela Mercaldo
Em
3 fevereiro, 2019
Em parceria com

Maria em Brasília, Ruth em São Paulo. A designer Maria Ruth Jobim abraça a dualidade geminiana e uma pá de projetos à frente do seu MR Jobim Creative Studio que fundou aos 23 anos. Brasiliense há dois anos em São Paulo, ela começou criança brincando no (saudoso) Paint Brush e hoje assina projetos para grandes marcas de moda, como Gallerist, Intimissimi e Egrey.

Quem é Maria Ruth Jobim?
Geminiana, ligada no 220V, mas às vezes descarrego (e quase que por completo). Tento abraçar o mundo, mesmo sabendo que é impossível. Uma eterna aprendiz, pronta a aprender e aceitar novas desafios.

Quando se deu conta que tinha veia criativa?
No fundo eu sempre soube que lidaria com algo criativo, mas demorei para tomar consciência. Meu pai tinha uma loja de computadores, então, tive acesso a computador em casa muito cedo. E, lembro bem novinha, criando bolinhas que formavam um padrão no Paint e usava como fundo de tela. Já era uma padronagem.

Quais foram seus primeiros contatos com os desenhos e a ilustração?
Durante a faculdade, tive um professor que falava que todos nós desenhamos até os 8 anos de idade. E então, por vergonha e se comparando, alguns param de desenhar e outros continuam. Ou seja, na realidade, é prática. Fiquei com aquilo martelando na cabeça, queria saber desenhar algo, mas realmente, achava que não conseguia. Quando um outro professor propôs um trabalho, que era desenvolver um baralho, eu achei que seria a oportunidade perfeita para por a teoria em prática. Decidi que meu baralho teriam as suas 52 cartas ilustradas. Após 52 desenhos (finalizados, inúmeros foram descartados), consegui chegar no início do que hoje posso chamar de meu estilo.

Maria Ruth Jobim

Quais foram os primeiros e também os mais importantes projetos profissionais?
Acho que um dos primeiros mais importantes foi um caderno que desenvolvi para o Gallerist. Trabalhar com a Intimissimi também foi bem bacana. Fiz um calendário incrível para eles! Os trabalhos de estampa, como os com a Modem, Egrey e Bobstore, vem sendo muito especiais.

Você costuma ter um tema principal ou recorrente?
Minhas ilustrações giram em torno de mulheres. O desafio é sempre o olhar. Gosto de ilustrar as minhas mulheres fortes, com o olhar expressivo.

Quem são suas referências?
Gosto muito do trabalho da Paula Scher, do Adam J Kurtz, da Jasmine Dowling, da Garance Dore, da Karen Hofstetter, do Stefan Seigmeister.

O que podemos esperar para 2019?
Em 2019 quero estar mais presente com as pessoas que me rodeiam, trocar mais e aprender cada vez mais.

Conta um pouco sobre o trabalho escolhido para circular na plataforma LIVO
Pensando no verão, quis propor uma arte que vibrasse e quase colocasse um sorriso no rosto. Algo que fosse divertido e que pudesse inclusive tornar pauta de conversa, uma vez que saí do comum de muitas flanelas de óculos que a gente costuma ver por aí.

Maria Ruth Jobim


Livo Eyewear

A LIVO acredita no poder das conexões. Que boas ideias são transformadoras. E que o mundo é colaborativo. Por isso, criou o canal "Aos Inquietos", junto com o The Summer Hunter, para contar quem são os criativos que estão circulando arte sob um novo ponto de vista. Onde? Nas flanelas que acompanham todos os óculos da LIVO é possível ver os trabalhos de gente criativa e inquieta. Gente de talento e visão. Vem ver. Leia todos os posts aqui.