Lifestyle

7 endereços que fazem da Rua Major Sertório, em SP, o lugar pra se estar aqui e agora

Por Lilian Kaori Hamatsu -

De tempos em tempos (cada vez mais curtos, diga-se de passagem), os paulistanos elegem uma região da cidade como palco pra uma infinidade de acontecimentos na nova cena cultural metropolitana. Essa tendência tipicamente nova-iorquina de escolher um bairro capaz de abrigar os "mais descolados" moradores e seus respectivos negócios é tão relevante quanto eficaz.

Em agosto de 2018, um grupo de empresários radicados na capital fundou o Movimento Centricidade e passou a distribuir mapas turísticos pela região. De lá pra cá, grande parte dos prédios antigos e lojinhas deram origem aos bares, restaurantes e galerias pensados exclusivamente com o objetivo de agradar os novos ocupantes do centro: jovens solteiros, casais em busca da primeira moradia própria e a galera da sustentabilidade e dos rolês alternativos.

A revitalização dos bairros centrais é anterior à essa iniciativa, teve início em 2014 e desde então já foram construídos mais de 4 mil espaços (entre residências e estabelecimentos) para atender às demandas do novo público. O que eram sobrados feios e sujos, hoje são cafés e hortifrutis instagramáveis e pensados pra hipster nenhum botar defeito. São Paulo, desde então, expressa sua efervescência novidadeira para muito além da Zona Oeste e da Consolação.


Fachada da Nó, a concept store masculina da Rua Major Sertório. Foto: Divulgação

Nos arredores dos tradicionais bairros de Santa Cecília, República e Vila Buarque, a Major Sertório desponta como rua queridinha entre os novos frequentadores do centro e é o retrato mais fiel da mudança que ocorreu por lá. Poucos metros de distância separam a Tokyo (Rua Major Sertório, 110) – uma mistura boa de karaokê, bar, balada e restaurante sustentada por um imponente edifício tombado de 1949 –, de cafés e lojas carregadas de conceitos contemporâneos. Uma delas é a (Rua Major Sertório, 114), que pretende reforçar a diversidade no armário masculino através de roupas e acessórios capazes de gerar no homem reflexões importantes acerca do seu papel social. Já o Galpão Jardim Secreto (Rua Major Sertório, 209) reúne uma curadoria de marcas locais, sustentáveis e transparentes que reproduzem a vibe da feira itinerante de mesmo nome.

Plantas e neon no ambiente modernista da Coffee Stories, uma ode ao Brasil contemporâneo. Foto: Lucas Terribili/Divulgação

Frutas e verduras orgânicas podem ser encontradas amplamente no Instituto Feira Livre (Rua Major Sertório, 229), que comercializa os alimentos a preços mais convidativos. Outro destaque é a Coffee Stories (Rua Major Sertório, 92), que serve xícaras de café selecionado e pratos com brasilidade aflorada em um sobrado modernista da década de 40. De volta ao passado, o retrô Sertó Bar (Rua Major Sertório, 106) reinterpreta a atmosfera dos cortiços do século XX e é especializado em lanches e drinks clássicos. Em agosto, a rua terá relevância gastrômica ainda maior com a inauguração de mais uma unidade do La Guapa, a casa de empanadas da chef Paola Carosella.