Solar Vibes

Os cristais trazem bem-estar? Para quem?

Por
Adriana Setti

Onipresentes em perfis que falam de misticismo e bem-estar, os cristais movimentam uma indústria bilionária e pouco regulada, que viola os direitos humanos e destrói o meio ambiente.

Não se trata de questionar o suposto poder curativo dos cristais ou a sua capacidade de canalizar boas energias, mas de saber de onde vêm essas pedrinhas que se tornaram uma febre mundial nos últimos anos.  Onipresentes nos perfis de espiritualidade express das redes sociais, e também em forma de garrafinha, massageador facial ou ovos vaginais, eles são o motor de uma indústria bilionária e pouquíssimo regulada, que viola os direitos humanos e destrói o meio ambiente em países da África, na Índia, na China e no Brasil. Como um produto assim pode trazer good vibes e estar associado a marcas que se apropriam do discurso de bem-estar e sustentabilidade?

Todo mundo quer 

Os cristais começaram a se popularizar nos anos 1970 mas, na última década, viraram um fenômeno de consumo, impulsionados pela indústria do bem-estar e do misticismo.

Sede de good vibes

Só nos EUA, a demanda por essas pedras dobrou entre 2014 e 2018, segundo o The Guardian. Com a sede de good vibes gerada pela pandemia, a indústria cresceu 20% só em 2020, de acordo com o Bloomberg.

De corpo e alma

Além das pedrinhas que enfeitam altares e afins, os cristais estão por todos os lados: em luminárias, garrafas que “energizam” a água, massageadores faciais, “ovos” vaginais, colares, anéis…

Bombardeio nas redes

De um lado, influenciadores e celebridades bombardeiam as redes com promessas de captação de boas energias, menos rugas e cura para diversos males.

O lado opaco

Do outro, uma obscura cadeia produtiva que explora adultos e crianças para a extração das pedras em condições deploráveis, violando os direitos humanos e contribuindo para a destruição do meio ambiente na África, na China, na Índia e no Brasil.

Indústria brasileira

No Brasil, parte da extração dos cristais é feita em garimpos ilegais e está relacionada a invasões de terras indígenas, condições de trabalho análogas à escravidão, desmatamento de áreas de proteção ambiental etc.

Fontes:: Dark Crystals: the Brutal Reality Behind a Booming Wellness Craze (The Guardian), The Market for Crystals Is Outshining Diamonds in the Covid Era (Bloomberg), Seu cristal de bem-estar e a energia do sistema capitalista (Lívia Humaire; @transicoes_ecologicas)