Simples, estiloso e eficiente pra aplacar o calor, o acessório promete ser o amigo de todo rolê neste verão.

FOTO: NICK SHANDRA / unsplash

o hype do leque

Com o mundo em ebulição, faz mais sentido do que nunca unir o útil ao agradável. Atemporal, cool, acessível e eficiente pra aliviar o calorão, o leque tem tudo pra ser o acessório-amigo na hora de compor o look no verão.

SEMPRE JUNTO

Pode ser baratinho ou sofisticado, simples ou ornamentado. Pode ser de pano, de fibras naturais e até de papel. Vai com você no ônibus, no bloquinho, no festival e em outros rolês. Além de ajudar no visual, o leque também dá um certo charme e faz o cabelo ficar esvoaçante — tipo a Beyoncé no palco, guardadas as devidas proporções.

Foto:  ving / unsplash

Foto: flickr commons

um caso antigo

Não é de hoje que o ser humano se abana e aproveita pra dar uma levantada no visual. Egípcios, babilônios, persas, gregos e romanos já utilizavam vários tipos de abanadores como artigos de luxo e símbolos de status.

O leque de abrir e fechar, feito de varinhas de madeira e tecido, também é antiquíssimo. Prático, foi o modelo que virou praticamente sinônimo da palavra. Inventado na Ásia no século 10, na Coreia, foi exportado pro Japão e, depois, chegou à China.

no oriente

Foto: flickr commons

NOVOS VENTOS

O leque viajou até a Europa no século 14, provavelmente no bagageiro das caravelas portuguesas que movimentavam o comércio com o Oriente. Na corte de Luís XV, na França, era um must have.

Foto: flickr commons

MENSAGENS SUBLIMINARES

Em alguns países, como o Japão e a Espanha, o leque faz parte da cultura local e é amplamente utilizado não só pra se abanar no calor, mas como uma ferramenta de comunicação.

Foto: flickr commons

O TINDER DO LEQUE

Na Espanha, a divertidíssima lenguaje del abanico, a “língua do leque” era um trunfo da mulherada em tempos passados, quando tomar a iniciativa no flerte pedia discrição. Fechar o leque e colocá-lo em cima do coração, por exemplo, significa algo como “tô na sua”.

Foto: flickr commons

ENQUANTO ISSO NO BRASIL

A etnia Baré, do alto rio Negro, por exemplo, produz peças lindas de fibra de tucumã. Usar a palha da carnaúba pra produzir esses “ventiladores” naturais também é tradição no Ceará e outras partes do Nordeste.