cenoura & bronze

O jardim solar de Nina Levy, da Amapá Flowershop

Por Fernanda Nascimento -

Quase tudo são flores na vida de Nina Levy. Há quatro anos ela passa o dia combinando peônias, eucaliptos, matinhos, flores de alho e girassóis. Isso quando não começa a madrugada na feira das flores do Ceagesp garimpando os exemplares mais frescos, bonitos e exóticos para montar os buquês da Amapá Flowershop. Na loja que montou com sua mãe, Kika, em São Paulo, um arranjo diferente é criado todos os dias para dar vida às casas dos clientes da Amapá. Plantas e outras delicadezas, como aromatizadores de ambiente, vasinhos, terrários e folhas secas em redomas de vidro, também são vendidas ali.

A loja da Amapá é um refúgio no meio da cidade. Ao atravessar o portão amarelo numa ruazinha na Vila Madalena, a sensação é de ter viajado um punhado de quilômetros. O verde está pelas paredes, pendurado no teto, nas prateleiras de madeiras e só se confunde com o colorido das flores espalhadas pela casa. Tem gente entra lá e não quer mais ir embora, conta Nina. “Aqui tem um clima, um ar, um ritmo diferente. Estar no meio das plantas deixa tudo um pouco mais leve”, diz. “A gente acaba sendo engolida por uma cidade como São Paulo, mas não precisa ser só essa loucura e essa correria. Com a Amapá eu tento levar um pouco de cuidado, carinho e leveza às pessoas”.

Fotos: Bárbara Magri

Formada em moda, Nina teve sua própria marca de roupa antes de abandonar a formação para se dedicar ao universo botânico. Foi em uma viagem à Nova York que fez com a família que conheceu espaços que, mais que uma simples floricultura, eram lojinhas com todo o tipo de produtos e mimos artesanais. Ela já havia se encantado pela jardinagem em um curso que fez com o marido, Felipe, quando decidiu abrir seu próprio negócio. “Comecei vendendo no Instagram e percebi que tinha muita gente interessada”, diz. “Ao trazer plantas e flores para dentro de casa você acaba levando o sol e toda uma energia para sua vida”.

meulugaraosol

O apartamento que divide com o marido não é muito diferente de sua loja. Da última vez que contou (e faz tempo), tinha 147 plantas em casa. Apaixonada pela praia e pela natureza, ela consegue ter uma vida mais solar no meio do caos de São Paulo com suas florestas particulares. E Nina não vai sossegar enquanto não espalhar uma semente dessa energia para o maior número de pessoas possível.