viagem

Fortaleza e arredores: caminhada pelo Centro Histórico

em parceria com

Por Fernanda Nascimento -

Quando era professor universitário, Gerson Linhares saía para caminhar pelo Centro e explorar o patrimônio da capital cearense. Alguns estudantes começaram a se juntar à ele, depois outros moradores, e assim surgiu o Fortaleza a Pé. Desde 1995, o turismólogo organiza roteiros que propõem olhar a cidade de uma outra maneira. “O Centro é um barril de cultura, um barril histórico”, explica. “Fortaleza é belíssima com seus 34 quilômetros de praia, mas também tem um patrimônio que vêm desde o século 18 sendo preservado, com inúmeras edificações, praças, monumentos e equipamentos culturais.”

Ao perceber que os turistas que visitam Fortaleza costumam explorar seu litoral, mas não a própria cidade, Gerson decidiu organizar caminhadas semanais para apresentar aos visitantes esse patrimônio tão pouco explorado. “Quando o turista faz uma caminhada cultural com a gente, ele sai com outra visão do que é Fortaleza”, diz. “Porque não é só a questão do patrimônio histórico, mas também o cultural. Aqui ele vai conhecer um pouco das nossas feiras tradicionais ao ar livre, experimentar os quitutes cearenses e conhecer o artesanato que vem de 184 municípios diferentes no interior do estado.”

Fotos: Doma02

Hoje o Fortaleza a Pé possui cerca de 30 roteiros diferentes que saem da Praça do Ferreira, no coração do Centro Histórico. Eles passam por lugares como o Theatro José de Alencar que, explica Gerson, foi construído em 1910 com uma arquitetura art nouveau, ou o Cine São Luiz, um cartão-postal da cidade idealizado por Luiz Severiano Ribeiro. As praças também são pontos de parada na maioria das caminhadas. São 32 só no Centro da capital, como o Passeio Público, do final do século 19, que remonta ao período da Belle Époque em Fortaleza.

fortaleza-a-pe-caminhada-centro-historico-04

Com fotos antigas ampliadas nas mãos, Gerson mostra como eram esse lugares algumas décadas atrás. “A gente caminha contando histórias. É uma oportunidade de ver também quais foram as principais mudanças arquitetônicas naquelas praças e edificações ao longo da história”, conta. Outro roteiro explora a cidade através de seus personagens, como a romancista Rachel de Queiroz e o escritor José de Alencar. “Precisamos colocar na prateleira os grandes vultos da literatura, da política e das artes plásticas que estão presentes na cultura da cidade.”

O turismólogo Gerson Linhares, criador do Fortaleza a Pé

É possível entrar em alguns dos prédios, igrejas e museus pelo caminho. Afinal, essa é a ideia dos roteiros feitos a pé: descobrir cada pedaço da cidade. “A gente só conhece um destino turístico de verdade caminhando. O a pé é a vivência daquela terra, que fica mais aguçada, mais rica, mais contemplativa”, diz Gerson. Incentivar o turismo cultural e a valorização do patrimônio são as principais razões pelas quais há duas décadas o turismólogo caminha pelas ruas da capital com as turmas quase que diariamente. “A história dessa cidade precisa ser conhecida, valorizada e divulgada pelo maior número de pessoas possível”, diz Gerson. “Aqui, Fortaleza também faz história”.